A ESCUTA SINGULAR DE PIXINGUINHA - Virgínia de Almeida Bessa

História e Música Popular no Brasil dos anos 1920 e 1930
R$ 66,99

Disponibilidade: Indisponível

Código: EMP90630

Editora: Empório do Livro

Idioma: Português

Autor/Artista: Virgínia de Almeida Bessa

Formato: Livro / 344 PÁGINAS

Share |


 

A autora destaca que Pixinguinha, como boa parte dos músicos populares do período, desenvolveu uma capacidade especial para incorporar ao seu repertório novos ritmos e timbres da época. Para Virgínia, este talento também era parte de uma estratégia de sobrevivência. Ele tornava possível a atuação profissional do artista, e sua decorrente ascensão social. São exatamente alguns elementos dessa "escuta singular", encontrada em suas composições, interpretações e arranjos que autora examina em seu trabalho.

Editora: Alameda

Sinopse Original:

A obra A escuta singular de Pixinguinha, de Virgínia Bessa, procura desvendar alguns intricados aspectos da trajetória de Pixinguinha. Reconstruindo o painel cultural e musical da capital republicana nas primeiras décadas do século XX, a historiadora procura compreender a multiplicidade de caminhos que se apresentam ao músico e explicita as escolhas feitas por ele nesse rico e aberto painel de tempos e possibilidades históricas.
Como boa parte dos músicos populares do período, "Pixinguinha desenvolveu uma escuta aberta, incorporando em seu repertório os novos ritmos e timbres" presentes na época. Para Virgínia Bessa, essa escuta era ainda parte de uma estratégia de sobrevivência, já que possibilitava sua atuação profissional e a decorrente ascensão social. São justamente alguns elementos dessa escuta singular, revelada nas composições, interpretações e arranjos de Pixinguinha, que ela privilegia como objeto e examina em seu trabalho. Essa não é uma tarefa simples, pois nesse longo processo o compositor incorporou à sua obra não só a "misturada de gêneros" que, segundo Mário de Andrade, caracterizava a música popular da época, mas também elementos do folclore, influências jazzísticas, discursos da música erudita e até as necessidades das nascentes indústrias fonográfica e radiofônica, já que delas tirava sua sobrevivência.
Essa condição peculiar possibilitou ao compositor participar das diferentes fases de construção do entretenimento musical, desde suas formas incipientes e amadoras do inicio do século XX, até aquelas da indústria da cultura mais organizada. E, em cada uma delas, a "brasilidade" atribuída a Pixinguinha se modificou, tanto na avaliação de seus contemporâneos, como no juízo posterior dos historiadores da música popular. Diante dessa complexidade do indivíduo e da história cultural e musical de que ele participa e é um dos protagonistas, Virgínia Bessa age como historiadora atenta e arrisca uma periodização para compreender melhor o multifacetado compositor e sua época.